Palestras Magnas

 Veja a seguir os palestrantes e suas palestras magnas já programadas

 

Index (clique no link para mais detalhes):

Howard Rose

Howard A Rose 

President of Firsthand Technology - Estados Unidos

Palestra: Virtual Reality With Real Health Outcomes 

 

Alana Conner

Alana Conner

Stanford University - Estados Unidos

Palestra: Clash! How to Harness Cultural Diversity for Innovation

  

Edgard Morya 

Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra (IIN-ELS) do Instituto Santos Dumont (ISD).

Palestra: Desafios em neuroengenharia para inovação clínica 

 

Marco Tulio

 Marco Tulio de Mello

Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Educação Física.

Palestra: Efeitos deletérios da privação e restrição do sono

 

Marco Tulio

Adriano O. Andrade

Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétricaa.

Palestra: Avaliação Objetiva da Dor - Métodos Tradicionais e Tendências Futuras

 


 

Howard Rose

Howard A Rose 

President of Firsthand Technology

Virtual Reality with Real Health Outcomes

Virtual Reality (VR) gives a wide bandwith channel into the brain and senses powerful that can be applied as therapeutic tool to reduce pain and anxiety, and promote more mindful, healthy lifestyles. Decades of scientific and clinical studies have shown that VR can have a profound, positive affect on the brain and the body, transforming the patient experience and speeding recovery.
VR adds a new dimension to apply biosensing data in a dynamic closed feedback loop, where the person and the environment are tightly linked. In this way, VR can target specific, personal patient needs, and adapt to the demands of the healthcare environment.
Howard will share his stories and clinical data from 25 years in VR R&D and at Firsthand Technology, applying VR therapeutic solutions to real practice in hospitals, clinics and for patients at home. Howard’s will provide a framework for the mechanisms of action of VR in healthcare, and how to design and execute VR therapies that maximize health outcomes. He will also share an analysis of the current state of VR technology, his forecast for the trajectory of VR technology, and suggestions for how to maximize the VR boom to improve the well being of people.  

Howard Rose - President of Firsthand Technology, a design and development company specializing in real-time, interactive 3D games that hold significant potential to revolutionize how people can use computers to learn, work, and play. Firsthand’s health games tackle such areas as medical training, therapeutic pain management, and exposure therapy for PTSD and phobias. Howard also served as the co-Principal Investigator and Lead Designer on the Attack of the S. Mutans! Project, a multimillion dollar project aimed at increasing children’s self-efficacy in maintaining dental hygiene. Howard got his start in virtual reality as a graduate researcher at the Human Interface Technology Lab at the University of Washington.


 

Alana Conner

Dr. Alana Conner 

Stanford University - Estados Unidos

Clash! How to Harness Cultural Diversity for Innovation - People from different cultural backgrounds are colliding more than ever before. Dr. Alana Conner, a Stanford University cultural scientist and coauthor of Clash! How To Thrive in a Multicultural World (Clash8 conflitos culturais que nos influenciam), will first show how a single root cause drives many of these conflicts, from global struggles between regions and nations, to everyday tensions between people of different genders, ethnicities, political parties, social classes, and religions. She will then describe evidence-based techniques not only for managing cultural differences, but also for harnessing diversity to promote creativity and innovation.

Alana Conner - is a cultural scientist who studies, writes about, and consults on culture clashes and culture change in technology, health, education, and poverty alleviation. By day, she serves as executive director and senior research scientist of Stanford SPARQ: Social Psychological Answers to Real-world Questions, a Stanford psychology department “do tank” that partners with organizations to solve problems by applying social science. By night, she works with clients and media outlets that have included The New York Times, Facebook, MSNBC, and The World Bank. She also writes books, including Clash! How To Thrive in a Multicultural World (Penguin, 2013). A native of Memphis, Tennessee, Dr. Conner earned a bachelor’s degree in psychology from Yale University, a PhD in social and cultural psychology from Stanford University, and a postdoctoral certificate in psychology and medicine from the University of California, San Francisco Medical School.


 

Dr. Edgard Morya

Dr. Edgard Morya 

Coordenador de pesquisas do Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra (IIN-ELS) do Instituto Santos Dumont (ISD). Docente do Programa de Pós-Graduação em Neuroengenharia do IIN-ELS.

Desafios em neuroengenharia para inovação clínica - O gasto anual mundial causado por doenças relacionadas ao cérebro é de cerca de 2 trilhões de dólares. Investir em pesquisas científicas que possibilitem prevenir ou retardar distúrbios neurológicos, bem como restaurar funções, reduz o impacto econômico e social, e ainda promove um retorno muito maior desse investimento para a sociedade. Essa demanda abriu uma perspectiva de pesquisa avançada dentre as áreas de interesse estratégico de países desenvolvidos. Mesmo com o surpreendente avanço tecnológico de novas ferramentas de interface com o sistema nervoso, grandes desafios ainda persistem. Atualmente, é possível registrar simultaneamente centenas a milhares de neurônios individuais em tempo real, entretanto, os padrões de atividade neuronal relacionados ao comportamento exigem desenvolvimentos adicionais de ferramentas de extração de características. Estes padrões podem fornecer informações para controle de um atuador, bem como, podem fornecer indicações de alterações do sistema nervoso num sistema de prevenção. Em uma neuroprótese, além destes padrões importantes para um desempenho adequado no controle, há necessidade de restaurar as informações sensoriais para um controle de alça fechada, seja por microestimulação cortical ou periférica. As microestimulações também possibilitam o desenvolvimento de neuromodulações, seja no cérebro ou na medula espinal. A neuromodulação promove alterações nas funções de redes neurais e abre perspectivas para novas intervenções acopladas as interfaces cérebro-máquina em dispositivos retroalimentados. Essas inovações tem grande potencial de aplicação em diversas desordens, melhorando a qualidade de vida de milhões de pessoas em um curto espaço de tempo.

Edgard Morya - Graduado em Fisioterapia pela Universidade de São Paulo (1996), doutorado em Ciências (Fisiologia Humana) pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (2003) e Pós-Doutorado em Ciências (Fisiologia Humana) pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (2006). Atualmente é coordenador de pesquisas do Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra (IIN-ELS) do Instituto Santos Dumont (ISD) e docente do Curso de Mestrado em Neuroengenharia do IIN-ELS. Tem experiência na área de neuroreabilitação, neurociência, neuroengenharia, neurofisiologia, eletrofisiologia, controle motor, psicofísica e acoplamento sensório-motor.


 

Marco Tulio

Dr. Marco Tulio de Mello

Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Educação Física.

Efeitos deletérios da privação e restrição do sono - A sociedade moderna cada vez mais altera seus hábitos e costumes, mas nem sempre para melhor! Ultimamente é observado uma grande tendência de se ampliar o tempo total acordado, com a justificativa de se aumentar a produtividade, seja ela no trabalho, estudo ou em outras atividades, incluindo o lazer. No entanto, a redução do tempo total de sono, traz como consequências uma redução da boa manutenção da saúde e nossa recuperação. Estudos demonstram que a consequência primaria da restrição ou privação do sono é a alteração do humor e longitudinalmente uma redução do nosso sistema imunológico. Mas entre o hiato existente da alteração do humor e a queda do sistema imunológico observa-se uma redução drástica no aspecto cognitivo, no processo decisório e sensório motor. Esta consequência da restrição e privação do sono, afeta diretamente o setor produtivo, pois o risco para o acidente e incidente aumenta após nove de jornada de trabalho, duplica após 12 horas de trabalho e triplica após a 14 hora de trabalho. Assim, buscar alternativas para monitorar o risco de fadiga e acidentes é fundamental, bem como minimizar a possibilidade de um acidente ou incidente em decorrência da privação, restrição e excesso te tempo acordado. Assim, o objetivo desta apresentação é discutir estes aspectos e tentar viabilizar uma discussão sobre possibilidades de minimizar estes fatores. Agradecimentos: Centro de Estudo em Psicobiologia e Exercício – CEPE; Centro Multidisciplinar em Sonolência e Acidentes – CEMSA; CNPq, FAPEMIG; CAPES, UFMG.

Marco Tulio de Mello - Professor Associado IV da EEFFTO/UFMG; Licenciado em Educação Física - UFU; Doutor em Ciências da Saúde pela UNIFESP; Pós-Doutoradoem Psicobiologia pela UNIFESP; Livre Docente pela UNICAMP; Livre Docente pela UNIFESP; Pesquisador Nível 1 do CNPq; Coordenador e membro titular do CA MS do CNPq; Membro titular da Câmara Temática de Saúde e Meio Ambiente do CONTRAN; Membro efetivo do INAPS/Comitê Paralímpico Internacional; Representante Brasileiro na Rede ALTIMEDIFIS; Coordenador do Programa de Pos Graduação em Psicobiologia (nota 7), da UNIFESP, no período de 2006-2010; Coordenador do Centro de Estudos em Psicobiologia e Exercício da UNIFESP (2000 a 2014); Coordenador do Centro Multidisciplinar em Sonolência e Acidentes da UNIFESP (2006 a 2014) Consultor Comitê Olímpico Brasileiro – COB, no período de 2013 a 2016; Coordenador da área de Ciência e Tecnologia da Academia Paralímpica Brasileira – APB, do Comitê Paralímpico Brasileiro – CPB, no período de 2000 a 2016.


 

Adriano Andrade

Dr. Adriano O. Andrade

Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica.

Objective assessment of pain - current methods and future trends (Avaliação Objetiva da Dor - Métodos Tradicionais e Tendências Futuras) - Pain is a very individual sensation and difficult to interpret without any communication from the patient. There is, under certain circumstances, only little correlation between subjectively experienced pain and tissue lesions or other pathological changes; the pain may even be completely unrelated. In this talk it will be presented an overview of traditional and recent methods employed for the objective assessment of pain.

Adriano O. Andrade - Graduated in Electrical Engineering at the Federal University of Goiás (Brazil) in 1997. He received his MSc and PhD in Biomedical Engineering respectively from the Federal University of Uberlândia (Brazil) in 2000 and from the University of Reading (UK) in 2005. He completed a one-year Post-Doctoral Fellowship awarded by the DFAIT (Foreign Affairs and International Trade Canada) at the Institute of Biomedical Engineering of the University of New Brunswick (Canada) in 2010. Currently, he is Professor in the Faculty of Electrical Engineering of the Federal University of Uberlândia. He has authored and co-authored more than 100 peer-reviewed publications in Biomedical Engineering. He has been researcher of The National Council for Scientific and Technological Development (CNPq-Brazil) since 2009. He has served as an ad-hoc consultant for CNPq, CAPES (Coordination for the Improvement of Higher Education Personnel), FINEP (Brazilian Innovation Agency), and other funding bodies in a number of occasions. He was the Secretary of the Brazilian Society of Biomedical Engineering (SBEB) - (2015-2016), and currently is the President of the SBEB (2017-2018) and also the head of the undergraduate program in Biomedical Engineering of the Federal University of Uberlândia. Dr. Andrade's primary area of research is focused towards getting information from the neuromuscular system in order to understand its strategies of organization, adaptation and controlling in the context of motor neuron diseases. His research interests include Biomedical Signal Processing and Modelling, Assistive Technology, Rehabilitation Engineering, Neuroengineering and Parkinson's Disease.